Uma onda de choque é uma onda acústica pulsada que provoca um súbito aumento na pressão para na área-alvo, seguida de uma pressão negativa.

Graficamente uma onda de choque é representada por:

  • Tempo de elevação rápido
  • Pressão máxima alta
  • Queda exponencial de pressão
  • Pressão negativa

As ondas de choque são divididas em dois tipos: FOCAL E RADIAL. As duas tecnologias diferem quanto aos aspectos físicos, aparelhos geradores e mecanismo de ação, mas dividem uma série de indicações em patologias ósteo-articulares.

 

ONDA DE CHOQUE FOCAL

A onda de choque focal pode ser gerada a partir de 3 tipos de geradores:

1-Gerador Eletrohidráulico

2-Gerador Eletromagnético

3-Gerador Piezoelétrico

 

1-GERADOR ELETRO-HIDRÁULICO

As fontes eletro-hidráulicas produzem uma bolha por descarga de alta voltagem entre 2 eletrodos em água no foco mais próximo de um refletor paraelipsoidal. O plasma em expansão gera uma frente de choque, que é refletida e focado em um segundo foco no tecido alvo.

 

  1. GERADOR ELETROMAGNÉTICO

No gerador eletromagnético um pulso de alta voltagem é enviado através de uma bobina, que é oposta a uma membrana metálica. A bobina produz um campo magnético, resultando em uma súbita deflexão da membrana e gerando ondas de pressão em um fluido. As ondas são focadas por uma lente e se inclinam para uma onda de choque perto do foco.

 

  1. GERADOR PIEZOELÉTRICO

O gerador piezo elétrico produz ondas de choque por uma descarga de alta voltagem através de um padrão de cristais piezo elétricos montados na superfície interna de um suporte esférico
que é colocado dentro de uma cavidade cheia de líquido. Cada elemento que se expande,
gera um pulso de pressão que se propaga em direção ao centro ou na região focal, do arranjo.

 

ONDA DE CHOQUE RADIAL

Também referidas na literatura como ondas radiais de pressão.

Nos geradores de onda de choque radiais, o ar comprimido acelera um projétil dentro de um tubo guia cilíndrico. Quando o projétil atinge um aplicador no final do tubo, uma onda de pressão é produzida e se expande radialmente no tecido alvo. Esses dispositivos não emitem ondas de choque como os aparelhos focais, porque os tempos de subida do
os pulsos de pressão são muito longos e as saídas de pressão são muito baixas. No entanto, ondas radiais podem induzir cavitação acústica. Os modos de ação e os efeitos das ondas radiais nos tecidos podem diferir daqueles das ondas de choque focalizadas porque os efeitos biológicos estão relacionados com a forma de onda de pressão.

Ondas focais e radiais podem complementar uma a outra. Enquanto a onda radial é adequada para tratar grandes áreas, as ondas de choque focalizadas podem ser concentradas profundamente dentro do corpo.

Como qualquer outra onda, a onda de choque está sujeita às leis físicas de reflexão, refração,
difração e absorção. Portanto, a amplitude da onda e a forma do campo sonoro podem
ser modificadas  pela interação com diferentes camadas de tecido dentro do corpo do paciente.  O transdutor da onda de choque deve ser acoplado ao corpo do paciente com gel de ultra-som para evitar dissipação de energia na transmissão da onda. Se o acoplamento for perturbado por bolhas, a energia que atinge o corpo do paciente diminui significativamente e  a eficácia é reduzida.

Além disso, à medida que a onda refletida é invertida, a tensão mecânica no tecido nas interfaces aéreas é aumentada (pressões positivas tornam-se negativas e vice e versa). Portanto, qualquer terapia por ondas de choque em tecidos na vizinhança do ar, próximos ao pulmão ou intestinos podem levar à ruptura desses órgaos e  portanto a efeitos colaterais graves.

Resumindo a verdadeira onda de choque aplicada ao sistema músculo esquelético são as ondas chamadas focias que pode ser utilizadas tanto para tratamentos de lesões superficiais como as tendinopatias como profundas como as calcificações e ossos. As ondas radiais apesar de serem diferentes do ponto de vista físico apresntam resultados semelhantes nos tratamentos das tendinopatias superficiais.